A Cruz

Encontro da morte com a Vida.
A cruz pertence à vida, à vida de cada um. 
A cruz, sinal de sofrimento, de dor, de ressurreição… de Vida. 
A cruz encontro do Filho com o Pai.
A cruz com mais ou menos luz é o encontro da vida no Amor.
A cruz sempre com a ternura do Pai, Filho e Espírito.
A luz sinal de encontro do Filho com o Pai.
A cruz da vida, maior ou menor, feita de trapos ou de ouro, é sempre o projeto e a vida de cada um, no encontro da vida com a morte mas sempre com o Pai.

Diácono Zé Manel Tavares


Como vivemos o nosso caminho para a Páscoa

Durante a quaresma o nosso pároco ajudou-nos a refletir sobre os evangelhos, a viver com Jesus aqueles dias que preparavam os discípulos para o tempo “maior” da sua Paixão e Morte

Vigília Pascal

ALEGRIA da RESSURREIÇÃO

A igreja toda às escuras e entra o Círio-  símbolo de JESUS  -Alfa e Omega 
A LUZ de CRISTO    e toda a igreja se ilumina 
a LUZ de CRISTO    a LUZ do MUNDO  ! !
Aleluia Aleluia ! 
A nossa esperança sempre vem do SENHOR RESSUSCITADO
Amor que tudo transforma 
AMOR só AMOR 
Aleluia !
Amor ,só Amor  Meditemos !

Celeste Rocha 

Abraçando o espírito de uma Páscoa introspectiva

      Esta Páscoa, logicamente, teve de ser diferente.

    Pela segunda vez consecutiva, vimo-nos privados dos rituais que caracterizam esta época e que nos ajudam a perceber o sentido de renovação, que a Páscoa nos traz. Rituais como as solenidades litúrgicas com grande número de fiéis, as visitas do Compasso, as reuniões familiares, todos eles lembrando que a ressurreição de Cristo nos traz de volta a rejubilação de um segundo Natal. Assim, tivemos de resumir as nossas celebrações a pouco mais do que as atividades online da Paróquia e as transmissões televisivas. Mas, desta forma, ainda pudemos seguir, uma vez mais, a Via Sacra e a Benção Papal Urbi et Orbi, a partir do Vaticano.

   Por outro lado, talvez a privação das vivências mais efusivas desta época nos tenha levado a vivê-la de uma forma mais profunda, tendo-se traduzido numa Páscoa, consequentemente, mais espiritual. Estarmos em casa permitiu uma outra reflexão, um outro tempo para rezar, uma aproximação diferente à família, abraçando o espírito de uma Páscoa introspectiva, que nos consciencializou para o valor de determinados aspetos que, em anos anteriores, dávamos por adquiridos.

      A verdade é que, apesar de fisicamente mais sozinhos, cada um na sua própria casa, conseguimos que a vivência desta Páscoa tenha ficado, sobretudo, marcada pelo mais importante: a forte união do espírito pascal e o seu simbolismo de recomeço.

Francisca e Maria Gomes

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: