AMANHECE NA
TUA PRESENÇA

O amanhecer continua a tecer as linhas que desenrolam a tátil esperança que limpa o olhar. Pouco ainda para escrever. Só letras pequenas. Nada de capitais. Ai de mim querer viver eternamente. Ai de mim querer viver… ai de mim querer. Tudo é dom.
Encontro ao amanhecer. De nada serve querer apressar a noite. Ela dura o tempo em que não sabes partir. Cada tempo partido traz consigo novas letras para escrever a presença entre as fraturas humanas. Enquanto gritam o desejo de reverter a dispersão pelos séculos. Ai de mim querer gritar. Em mim ca um lar disperso
se não encontrar lugar para todos os fraturados nos séculos
.

DOMINGO
E quando Se pôs à mesa, tomou o pão, recitou a bênção, partiu-o e entregou-lho.
Nesse momento abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-n’O.
(Lc 24,29-31)

SEGUNDA-FEIRA
A surpresa de quem se antecipa abre caminhos para a esperança e apressa os passos para o amor se continuar a antecipar.

TERÇA-FEIRA
A antecipação do amor não pode ser retida nem preparada. É sempre uma surpresa que transborda em muito o esperado.

QUARTA-FEIRA
A antecipação é o instante do olhar profundo que reconhece a presença, desvelando a realidade.

QUINTA-FEIRA
As palavras que beijamos esquivam-se a deixarem-se surpreender. A antecipação é dardo lançado ao coração.

SEXTA-FEIRA
A manhã não tem hora marcada. A luz pode despontar antes do sol nascer. Acorda com a paz que entra pelo coração do encontro.

SÁBADO
A dureza do coração não permite a surpresa e não deixa que nada se antecipe, tudo é programado. Só o amor faz da vida um programa sem programação.

ORAÇÃO
Quando contemplo a noite
E não me fecho na sua obscuridade
Mais densa,
Mais a minha retina
Estala de admiração
No meio de estrelas fugazes…
É tempo de Ressurreição.
Se a minha atitude vital procura
Pacificar tensões,
Renovar ilusões,
Tecer laços de concórdia,
Libertar os corações do ódio…
É tempo de Ressurreição.

Anselm, G.

POEMA
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada,
aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: