O SILÊNCIO LUMINOSO

Fazei de mim uma palavra que ninguém ouça. Uma palavra que fique por dizer. Um silêncio que amanheça todos os dias nos lábios e se deite ao entardecer sobre o leito do mundo. Uma palavra entregue por Deus. A esperança não é ridícula. É o ventre do silêncio e caminha todos os dias na humildade. Caminha em passos pequenos. Faz rua. Passos ínfimos e a rua nítida. Os passos deixam de se ver e a rua fica pronta. Já nenhuma palavra a dizer e a esperança faz o caminho. Jesus é o único caminho. Faz rua. No silêncio a Palavra faz o seu caminho. A esperança diz mais um passo e diz o silêncio luminoso. Podes calar, mas Jesus fala no caminho que trilhas.

DOMINGO
Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito, para que todo o homem que acredita n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele. (Jo 3,16-17)

SEGUNDA-FEIRA
Nenhuma palavra precisa ser dita quando basta um gesto. O amor é suficiente e tudo diz a quem espera.

TERÇA-FEIRA
Uma palavra ilumina e um novo silêncio surge. Um silêncio a suplicar por uma Palavra. A luz faz da palavra o seu caminho. O caminho só se faz na Palavra.

QUARTA-FEIRA
Quando o silêncio fala, todas as palavras se calam. Quando todas as palavras deixam de dizer o que têm para dizer, falam as obras. Quando as obras são escondidas, ilumina-se a rua.

QUINTA-FEIRA
A palavra que nos habita é um caminho. A única coisa que desfaz o caminho é o lamento do absurdo.

SEXTA-FEIRA
Ficamos sem caminho quando fechamos as palavras e não deixamos que abram as casas onde habitam os segredos que também nos habitam. O maior segredo: há palavras que custam a carregar.

SÁBADO
Sem palavras diante do absurdo é como uma terra que ninguém habita e onde ninguém nasceu. A palavra é uma pátria. A imaginação é terra que ninguém habita e onde muitos moram.

ORAÇÃO
Dá-nos, Senhor, a Tua luz,
Para olhar a vida
Com olhos de Evangelho.
Ajuda-nos a confiar em Ti,
Com todo o nosso coração,
Para aprender a deixar
Nas Tuas mãos,
Toda a nossa existência

POEMA
Vivemos convivemos resistimos
cruzámo-nos nas ruas sob as árvores
fizemos porventura algum ruído
traçámos pelo ar tímidos gestos
e no entanto por que palavras dizer
que nosso era um coração solitário silencioso
silencioso profundamente silencioso
e afinal o nosso olhar olhava
como os olhos que olham nas florestas
No centro da cidade tumultuosa
no ângulo visível das múltiplas arestas
a flor da solidão crescia dia a dia mais viçosa
Nós tínhamos um nome para isto
mas o tempo dos homens impiedoso
matou-nos quem morria até aqui
E neste coração ambicioso
sozinho como um homem morre cristo
Que nome dar agora ao vazio
que mana irresistível como um rio?
Ele nasce engrossa e vai desaguar
e entre tantos gestos é um mar
Vivemos convivemos resistimos
sem bem saber que em tudo um pouco
nós morremos
Ruy Belo

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: