PALAVRAS A MAIS

Uma Palavra é suficiente. Uma só e tudo o mais será escrito.
Muitas erguem divisões. A dificuldade é a Palavra. A que é dita?
Também. Mais aquela que fica por dizer. Ninguém tem tempo para escutar a Palavra que ergue a vida. Perde-se tempo a escutar as que levantam impérios e declaram guerras. Primeiro há que chegar ao deserto. Depois deixar as palavras por lá e escutar a única que é esse íntimo de ti. Aí encontras a Palavra criadora.
Não é fácil passar pelas bancas sem se vender ou cambiar afeto.
Nada de desespero. O vento sopra vindo do deserto e chega às fronteiras para abrir cada passo em ti. A esperança escreve devagar, como flor que desponta no deserto.

DOMINGO
Então os judeus tomaram a palavra e perguntaram-Lhe: «Que sinal nos dás de que podes proceder deste modo?». Jesus respondeu-lhes: «Destruí este templo e em três dias o levantarei». (Jo 2,18-19)

SEGUNDA-FEIRA
Há muitas palavras no teu coração e nenhuma diz o suficiente para que chegues
ao porto onde te encontras para te dar. Procura Aquela que te é dada.

TERÇA-FEIRA
Uma só palavra para que tudo se inicie. Não é invenção tua. Palavra dada.
A Palavra antes de todas as outras. Plena de gratuidade. Tudo o resto é dívida incobrável.


QUARTA-FEIRA
Uma Palavra irregovável. Dita de sempre para sempre. Uma sempre a dizer e nunca a deixar de ser dita.

QUINTA-FEIRA
Uma leitura eterna do que há. Uma leitura lenta… difícil aprendizagem do simples dizer como somos ditos. Quem não aprende a ler, dispersa palavras estéreis.

SEXTA-FEIRA
A escuta está sempre depois da Palavra. Muito antes da ação. A escuta implica o tempo da germinação. O segundo depois da Palavra e antes do amor.

SÁBADO
O silêncio é mais do que ausência de palavra. É Palavra antes de ser dita por nós e silêncio dito depois de toda a Palavra.

ORAÇÃO
Quero encontrar-Te no rosto dos homens e mulheres,
Na convivência com os meus irmãos;
Na necessidade do pobre
E no amor dos meus amigos;
No sorriso da criança
E no ruído da multidão.
Tenho que Te ver!
Quero encontrar-Te na pobreza do meu ser,
Nas capacidades que me deste,
Nos desejos e sentimentos que fluem em mim,
No meu trabalho e descanso
E, um dia na debilidade da minha vida,
Quando me aproximar das portas do encontro face a face Contigo.

Teilhard de Chardin

POEMA
É uma palavra feita de matéria lunar
Que eu procuro. Preciso
Da sua ondulação nocturna
Da sua luz pegajosa. Uma palavra
Que se tatue na palma da mão
E que fechada refresque o lugar
Onde se cruzam as linhas do destino.
Esteva, é essa a palavra que eu procuro.
Nuno Higino

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: