Partilha Movimento Sacerdotal Mariano

 

Recitação do terço

(com o sinal da cruz:)

Deus vinde em nosso auxílio. / Senhor, socorrei-nos e salvai-nos. 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Precisamos de nos unir. Uma forma de o fazermos é continuarmos em comunidade aproximando todos. Vamos rezar o terço, meditando nos Mistérios Gozosos

 

Primeiro mistério: a Encarnação do Filho de Deus

Contemplação:

É o primeiro ponto luminoso para unir o céu e a terra. O primeiro da série de acontecimentos que são os maiores de todos os séculos.

O Filho de Deus, Verbo do Pai, “por quem foram feitas todas as coisas” na criação, toma natureza humana neste mistério. Se faz homem Ele mesmo para poder ser redentor do homem e da humanidade inteira, e seu salvador.

Maria Imaculada, flor da criação, a mais bela e fragrante, respondendo ao anjo “eis aqui a serva do Senhor” (Lc 2,28), aceita a honra da maternidade divina que se cumpre nela instantaneamente. E nós, chamados em nosso pai Adão filhos adotivos de Deus, privados depois, voltamos hoje a ser irmãos, filhos adotivos de Deus, recuperada a adoção por redenção que começa agora. Ao pé da cruz seremos com Jesus, que é concebido em seu seio, filhos de Maria. Desde hoje será ela Mãe de Deus e logo mãe nossa.

Reflexão:

Refletindo sobre isso, nosso primeiro dever inesquecível é dar graças a Deus, porque se dignou vir para nos salvar. Por isso se fez homem, irmão nosso. Igual a nós enquanto a nascer de uma mulher, da qual nos fez filhos de adoção ao pé da cruz. Filhos adotivos do seu Pai celestial, quis que o sejamos igualmente da sua própria Mãe.

Intenção:

Seja a intenção da nossa oração, ao contemplar este primeiro mistério dar graças continuamente, pelo nosso pároco, pedindo-Te, Senhor, que lhe dês força para que continue a ser esta presença tão próxima junto de todos nós, mesmo no meio da adversidade.

Pai Nosso

Ave-Maria…

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Ó Maria concebida sem pecado, / rogai por nós que recorremos a vós.

Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno; / Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.

 

Segundo mistério: A visitação de Nossa Senhora

Contemplação

Que suavidade, que graça nesta visita de três meses que Maria fez à sua prima. Uma e outra, abençoadas com uma maternidade que se cumpriria em breve. A da Virgem Maria, a mais sagrada maternidade de quanto se possa sonhar sobre a terra. Doce encanto nas palavras que são ditas como um cântico. De uma parte, “bendita és tu entre as mulheres” (Lc 1,45). E da outra, “porque olhou para a humildade da sua serva, por isso chamar-me-ão bem-aventurada todas as gerações” (Lc 1,48).

Reflexão:

Quanto sucede aqui, em Aim-Karim, no monte Hebron, apresenta, com luz celeste e ao mesmo tempo muito humana, que relações são as que unem entre si as famílias,educadas na antiga escola do rosário. Rosário recitado a cada noite em casa, no círculo dos íntimos. Rosário recitado, não em uma, nem cem, nem mil famílias, senão por todas e por todos, e em todos os lugares da terra, ali onde qualquer um “sofre, luta e ora”.

Intenção:

Seja a intenção da nossa oração, ao contemplar este segundo mistério pedir- Te, Senhor, que dês a esta comunidade o espírito de serviço de Maria.  

Pai Nosso

Ave-Maria…

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Ó Maria concebida sem pecado, / rogai por nós que recorremos a vós.

Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno; / Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.

 

Terceiro mistério: O nascimento de Jesus em Belém

Contemplação:

A seu tempo, segundo a lei da natureza humana assumida pelo Verbo de Deus, feito homem, sai do tabernáculo santo, o seio imaculado de Maria. Faz a sua primeira aparição ao mundo num presépio. Ali os animais rumiam o feno. E todo emredor é silêncio, pobreza, singeleza, inocência. Vozes de anjos atravessam o ar anunciando a paz. Aquela paz da qual é portador para o universo o menino que acaba de nascer. Os primeiros adoradores são Maria, sua mãe, e são José, o pai adotivo. Logo, os pastores que tinham descido do monte, convidados por vozes de anjos. Virá mais tarda uma caravana de gente ilustre, precedida desde longe por uma estrela, e oferecerá valiosos regalos, cheios de simbolismo, de interesse. Na noite de Belém tudo fala de universalidade.

Reflexão:

Neste mistério não fique um só joelho sem se dobrar diante do berço, em gesto de adoração. Ninguém fique sem ver os olhos do divino Menino que olham distantes, como querendo ver, um a um, todos os povos da terra. Vão passando um a um diante da sua presença, como em uma revista, e os reconhece a todos: hebreus, romanos, gregos, chineses, índios, povos da África, de qualquer região da terra, ou época da história. As regiões mais distantes e desérticas, as mais remotas e inexploradas; os tempos passados, o presente, e os tempos por vir.

Intenção:

Seja a intenção da nossa oração, ao contemplar este terceiro mistério, pedir- Te, Senhor, que acolhas todos os batizados essencialmente aqueles que não têm lugar em nenhuma hospedaria, sabendo nós que neles vive Jesus pobre.

Pai Nosso

Ave-Maria…

 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Ó Maria concebida sem pecado, / rogai por nós que recorremos a vós.

Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno; / Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.

 

Quarto mistério: a apresentação de Jesus no Templo

Contemplação:

Jesus, nos braços da sua mãe, é apresentado ao sacerdote, e estende seus braços para a frente. É o encontro dos dois Testamentos. Ele, glória do povo eleito, filho de Maria, está disposto a ser “luz e revelação dos gentios” (Lc 2,32). Está presente e oferece também São José, que participa por igual no ritual das oferendas legais em rigor.

Reflexão:

 Será muito grato contemplar, durante este mistério o campo que germina, a colheita que se faz. “Olhai os campos que já estão dourados para a ceifa” (Jo 4,35). Os cristãos são chamados a ser apóstolos, a tomar iniciativas de apostolados laicais, imprescindíveis no amanhã. Apostolado que, não obstante as dificuldades e provas da sua expansão, oferece, e jamais deixará de oferecer, um espetáculo tão comovente que arranca palavras de alegria e admiração.

 Intenção:

Seja a intenção da nossa oração, ao contemplar este quarto mistério , pedir- Te, Senhor, por aqueles que sofrem a provação da doença do corpo ou da alma, para que a crença em Ti, os estimules a não desistir.

Pai Nosso

Ave-Maria…

 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Ó Maria concebida sem pecado, / rogai por nós que recorremos a vós.

Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno; / Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.

 

Quinto mistério: O Menino Jesus perdido e encontrado no Templo

Contemplação

Jesus tem já doze anos. Maria e José acompanham-no a Jerusalém para a oração ritual. Inesperadamente, oculta-se aos seus olhos, tão vigilantes e amorosos. Grande preocupação e uma busca que se prolonga em vão durante três dias. À dor sucede a alegria de encontrá-lo precisamente nos átrios que circundam o templo. Falava com os doutores da Lei. São Lucas o apresenta com palavras expressivas e com precisão muito cuidada. O encontraram, disse, sentado no meio aos doutores “escutando e perguntando-lhes” (Lc 2,32). Um encontro com os doutores importava então muito: conhecimento, sabedoria, normas de vida prática, à luz do Antigo Testamento.

Reflexão:

O dever da inteligência humana é o mesmo em todo tempo: recolher a sabedoria do passado, transmitir a boa doutrina, fazer avançar, com firmeza e humildade, a investigação científica. Nós morremos um atrás do outro. Vamos a Deus. A humanidade, porém, olha para o porvir.

Cristo não está jamais ausente, nem do conhecimento sobrenatural, nem no âmbito natural. “Um só é o vosso mestre, Cristo” (Mt 23,10).

Intenção:

Seja a intenção da nossa oração, ao contemplar este quinto mistério dar graças por aqueles que neste momento adverso não podem parar, pedindo-Te, Senhor, que lhes dês força para continuarem a ajudar o povo que sofre.

Pai Nosso

Ave-Maria…

 

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Ó Maria concebida sem pecado, / rogai por nós que recorremos a vós.

Ó meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do inferno; / Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.

Rezemos as três avé-marias finais pelas intenções do Santo Padre, pelas intenções do nosso pároco e pelas intenções particulares que cada um quiser pôr neste terço.

Avé-Maria….

Salvé Rainha
Consagremo-nos a Nossa Senhora

Ó Senhora minha, ó minha Mãe,
eu me ofereço todo(a) a vós,
e em prova da minha devoção para convosco,
Vos consagro nesta noite e para sempre,
os meus olhos, os meus ouvidos,
a minha boca, o meu coração e inteiramente todo o meu ser.
E porque assim sou vosso(a),
ó incomparável Mãe,
guardai-me e defendei-me como propriedade vossa.
Lembrai-vos que vos pertenço, terna Mãe, Senhora nossa.
Ah, guardai-me e defendei-me como coisa própria vossa.

 

Ó Maria, Mãe de Deus e nossa mãe, entregamos-te a recitação deste terço por todos os teus filhos que sofrem

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: